Cabeçudos

Faroleiro, o meu primeiro Cabeçudo.

 

 

 

No caminho da minha vida, passei por Viana do Castelo, onde vivi alguns anos. Já tinha ouvido falar dos cabeçudos, das festas da Srª D’Agonia, dos Zé Pereiras com seus bombos, concertinas e gaitas de foles, vi muitas imagens, vi e revi, mas vivenciar, é algo que não se explica, sente-se.

Eu já trazia em mente aprender a fazer cabeçudos e a tocar gaita de foles, a gaita ficará para outra altura, mas os cabeçudos aprendi com mestres, surgiu a oportunidade de me juntar ao Grupo Etnográfico da Areosa e o sonho realizou-se. O meu primeiro cabeçudo foi um faroleiro, que correu Portugal e o Mundo, ainda continua comigo, tem me dado sorte e aberto portas para outros trabalhos.

Demónios & Monstros

O Pinguço, a Fadista e o Zé

A Peixeira & O Neptuno

Tradições

 

Cabeçudos e Gingantones percorrem as ruas de Viana do Castelo nas famosas Festas da Srª d’Agonia desde o final do século XIX, mas há uns personagens que não podem faltar nestas festas, os “Zé Pereiras”. Onde há cabeçudo há Zé Pereira com seus bombos, concertinas e gaitas de foles para animar as festas.

Queres ter um cabeçudo feito por mim para ti?

Só tens de falar comigo, abaixo tens como o fazer. Aguardo por ti. Obrigada.

Adoraria colorir o mundo contigo

Encontras-me aqui

atelier@fernandapapapapel.com

©2021 FernandaPapaPapel|Todos os Direitos Reservados